Muçulmana leva 50 chicotadas no meio da rua por usar calças jeans

Fonte: Uma Visão do Mundo

Editor: Eduardo Patriota Gusmão Soares

A Sharia é a doutrina dos direitos e deveres religiosos do islã. Abrange as obrigações cultuais (orações, jejuns, esmolas, peregrinações), as normas éticas, bem como os preceitos fundamentais para todas as áreas da vida (matrimônio, herança, propriedade e bens, economia e segurança interna e externa da sociedade). Originou-se entre os séculos VII e X d.C. a partir dos trabalhos de sistematização realizados por eruditos e legisladores islâmicos e baseia-se no Corão, suplementado pela Suna, a descrição dos atos normativos do profeta Maomé. Além da Sharia e do Alcorão existe ainda a Fiqh, que é a jurisprudência islâmica e é constituída pelas decisões dos académicos islâmicos que dirigem as vidas dos muçulmanos.



Segundo a professora de política e autora de livros sobre o islamismo e as mulheres, Asma Barlas, temos que: “Independente do que se pense sobre essas leis, a verdade é que grande parte do que se considera como direito divino nas sociedades muçulmanas não se sustenta, ou, na melhor das hipóteses, tem apenas uma sustentação mínima ou específica, na palavra divina. Por exemplo, a Sharia/fiqh permite a morte por lapidação em caso de adultério, ao passo que o Corão não faz referência a essa pena em qualquer contexto (…).”

E continua: “(…) O problema é que existe uma anomalia no centro da estrutura em que as leis muçulmanas foram formadas historicamente, que é a separação entre o Corão, suna, Sharia e fiqh, para não falar entre elas e costumes e tradições populares muçulmanos. Uma consequência disso é que os muçulmanos muitas vezes não sabem a diferença entre o Corão ou a Sharia (…)”.

O que a professora está tentando explicar é que o Alcorão não prega tais violências contra a mulher. Aliás, se tivermos em conta a História, verificamos que penalidades como a lapidação provém da Lei Judaica. Os Judeus lapidavam as mulheres e os homens adúlteros. É uma prática que existe na Lei de Moisés. Na mitologia cristã, Jesus foi o primeiro a contestá-la. Mas o Alcorão está longe de ser um livro melhor que as escrituras cristãs. Ele prega chibatadas em libertinos, morte aos incrédulos e outras incitações de ódio e guerra àqueles que não seguirem o que o deus da mitologia islâmica acha ser o melhor.

O que está em curso em alguns países do Oriente Médio, principalmente, é o uso de leis islâmicas por parte dos clérigos muçulmanos que deturpam as leis, interpretando-as em favor de seus planos escusos e tornando isso parte da lei e tradição locais.

O resultado de livros sagrados dúbios, clérigos misóginos e intransigentes e um povo que não contesta o que ouve ou lê, aceitando a palavra de outros como se fosse a de seu próprio deus, não podia ser muito melhor do que aquilo que vemos ocorrer em países fundamentalistas. Ou seja, mortes por enforcamento, lapidação, chibatadas e outros tipos de penalidades por motivos muitas vezes fúteis. Como ocorreu no Sudão, onde uma mulher foi sumariamente condenada a levar 50 chicotadas no meio da rua pela polícia por usar calças debaixo das vestes muçulmanas.

As chicotadas em público foram criticadas pela União de Mulheres Sudanesas, organização anti-governo que divulgou uma nota chamando o incidente de “vergonha, desonra e humilhação a todas as mulheres sudanesas”.

Mas não adianta lutar assim. Esta forma de opressão só diminuirá quando o povo acordar de seu transe e perceber que talvez a religião não tenha assim tantos direitos sobre a vida pessoal.

Melhor, talvez percebam que a religião nem se refira a algo de verdade e que estão todos sofrendo e regredindo a troco de nada. Até lá, o povo e sua religião seguem sendo os algozes do bem-estar e da liberdade de si mesmos.

Nenhum comentário:

Posição Planetária Atual - Clique na imagem Posição Planetária Atual - NASA

O céu da sua cidade - Clique aqui - Apolo11.com

O Sol Agora - Clique na imagemPosição Planetária Atual - NASA